quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Se eu fosse você

Hoje quero falar sobre o filme "Se eu fosse você 2" ao qual assisti ontem. Por uma questão ideológica (?) tenho uma certa resistência a filmes produzidos pela Globo, com diretor da Globo, elenco global, etc. Mas como estava a fim de distrair a mente e dar algumas risadas (dizem que faz bem para a saúde, rejuvenesce) decidi ver esse filme com minha filha mais nova e a amiga dela. É muito engraçado! Tenho algumas críticas ao final (a festa do casamento é meio artificial e fica evidente que os casais de dançarinos são profissionais da dança), mas os atores estão todos ótimos e o filme não deixa saudades do original. Não diria que é melhor, porém a gente não sai do cinema com a sensação de ter sido enganada.
O destaque vai para o casal de protagonistas. Glória Pires está ótima como sempre. Acompanho a atriz desde seu primeiro papel, na novela "Dancing Days", e ela sempre foi fantástica. Toni Ramos me surpreende sempre. Nunca fui fã especial desse ator que, para mim, era apenas um rosto bonitinho interpretando galãzinhos do momento. Ele está ainda mais engraçado na sua segunda versão Helena, quando vive dilemas e agruras de mulher em seu corpo de homem. A aula de ginástica na academia é impagável assim como o jogo de futebol.
Se tivesse sido produzido nos EUA e tivesse atores mundialmente famosos como protagonistas (um Adam Sandler da vida), o filme faria uma boa carreira internacional e faturaria horrores. Como foi produzido no Brasil, deve faturar bastante, porém apenas entre nós.

2 comentários:

Glauco disse...

Qual seria a continuação da trama, se ele separado tivesse ficado com a outra mulher na boate ?

Qual seria a continuação da trama, se ela tivesse se envolvido com o advogado ?

Ficou claro que a volta só ocorreu pois nenhum dos dois teve um relacionamento extra. Estou errado ?

Martha disse...

Acho que não ... Se eles tivessem tido um caso com essas pessoas, haveria mais drama, mas acho que poderiam superar o trauma e ainda sim voltar às boas. Mas aí teria que haver mais aprofundamento e a proposta do filme não é essa e sim explorar o lado cômico da troca de corpos.
A graça está exatamente no que cada um pensou que o outro fez, mas no fundo o casal de protagonistas continua certinho e fiel à instituição casamento.