terça-feira, 15 de julho de 2008

PNL

Estou meio confusa e o pior que não posso dizer porquê (será que acertei dessa vez?). Bom, vou falar de amenidades porque não consigo de falar de nada muito sério depois das 21h. Comecei a fazer hoje um curso de Programação Neurolingüística - PNL para os mais íntimos. É um curso oferecido pela empresa para a qual presto serviços.
Hoje, primeiro dia de curso, foi um dia de descobertas para a maioria. O professor (?), orientador (?), animador (?) me pareceu meio despreparado. Talvez essa impressão tenha ficado de alguns erros de português. É possível ser um bom facilitador de PNL e não saber português? Talvez, mas sempre me incomoda um pouco. Mas, já que estou lá, estou disposta a aprender essa técnica que alguma pessoas alegam ter feito milagres em sua vida.
Nesta manhã, desenhei como eu sou - fiz uns dos desenhos que costumava fazer quando ainda gostava de desenhar - e inclui alguns atributos à figura desenhada, que supostamente era eu. Alguns, positivos. outros, nem tanto. O facilitador (?) perguntou: "Até quando?" na frente de todo o grupo e respondi: "Estou aqui pra tentar mudar". Aplausos puxados por ele.
Enfim, dá pra sentir que não consigo levar muito a sério esse tipo de coisa, mas juro que quero mudar algumas crenças, algumas posturas. A mais importante delas - e que vem me pertubando muito nos últimos dias - é a de que não sou capaz. É como se houvesse alguém que olhasse pra mim e dissesse: "Daqui você não passa. Você não vai conseguir". Vocês não têm idéia de como é difícil lidar com isso apenas no plano racional.

2 comentários:

drikka disse...

É isso aí!
Sei como vc se sente sobre querer saber se é capaz ou não...

Esse texto me inspirou duas coisas: a de (possivelmente) entrar para o coral ou.... aprender a dançar!


:)

beijo!

Martha disse...

Que bom! Fico feliz de estar inspirando boas coisas.
Bjs