quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Refluxo

Hoje fiz um exame chatinho, mas indolor, que mostra o estado de nossas narinas e da garganta através de um tubo fininho que o médico enfia pelo nariz e que deve ter uma câmera de vídeo, imagino.
No ano passado fiz esse mesmo exame a pedido da minha pneumologista, dra Keyla, maravilhosa, que desconfiou que eu sofria de refluxo. Tomei o medicamento recomendado por algum tempo e não refiz o exame quando ela pediu (acho que foi em julho) por uma mistura de preguiça, falta de tempo e saco. Fiquei braba porque um gastro que consultei simplesmente perdeu esse e outro exame em sua renomada clínica (e nunca mais me deram notícias sobre o exame; também não pretendo botar meus pés lá nunca mais).
Fiquei meio revoltada com esses médicos que adoram pedir exames e os perdem. Como se fazer exame fosse a coisa mais divertida do mundo.
Há duas semanas, entretanto, tive mais uma dor de garganta forte acompanhada de rouquidão e consultei um otorrino no Hospital Otorrino que, por sorte, era o mesmo que tinha me atendido em abril quando tive outra crise semelhante. Ele me medicou e pediu o tal exame de vídeo, que resolvi encarar novamente.
Enquanto aguardava o exame, li uma Veja antiga com uma reportagem de capa sobre o câncer de Lula e já estava quase convicta de que tinha um problema semelhante. Afinal, os sintomas eram parecidos e ele também fez a video ..... antes de qualquer outro exame mais específico.
A boa notícia é que não tenho qualquer tumor na garganta, segundo o meu médico (fiz questão de marcar o exame com ele). A má notícia é que há sinais claro do tal refluxo, que tem tratamento, mas não sei se tem cura.
Na próxima semana voltarei ao consultório do dr. Alexandre para que ele me medique. Provavelmente terei que voltar a tomar o tal do Omeprazol (acho que é esse o nome). É um remédio caro e, no ano passado, comprei todas as doses na farmácia popular por sugestão da dra Keyla. O problema é que o gastro (o tal que perde os exames e cujo nome prefiro não dizer) me disse que os remédios dessas farmácias não são confiáveis.
Droga! Tomar um remédio, que não é de graça, à toa é o fim da picada e se isso acontece (remédios não confiáveis) está ocorrendo um crime contra a saúde das pessoas que acreditam nas tais farmácias populares. Agora vai prova isso.
Na dúvida, acho que vou optar por pagar o preço das farmácias convencionais e tomar um remédio cujo efeito seja garantido.
Mas vou também buscar tratamentos alternativos.
Nos sites que pesquisei sobre o problema (Refluxo Gastroesofágico e Refluxo Laringofaríngeo), há recomendações no sentido de: evitar comer perto de dormir (já sigo essa recomendação, mas nesses dias de festa andei relaxando), evitar refeições pesadas a qualquer hora do dia, bebidas alcóolicas, refigerantes, cigarro, cafeína, chocolate, tomate e frutas cítricas, alimentos fritos ou gordurosos e acúmulo de peso. E o indefectível estresse, tão difícil de se evitar hoje em dia.

2 comentários:

Chorik disse...

Martha, anda engolindo muito sapo? Vou te dar uma explicação na base da intuição, ok? Já ouviu falar de chacras? Há inúmeros chacras, mas dentre os sete principais destaco o esplênico, localizado pouco abaixo do umbigo. Distúrbios gástricos normalmente estão relacionados a esse chacra, embora muita gente ache que é o chacra gástrico. Sabe quais os problemas emocionais relacionados ao mau funcionamento do esplênico:
desesperança, dificuldade de perdoar ou esquecer injustiças, sentimento de solidão, necessidade de expansão da consciência, dentre outros.
Acho que escrevi demais..rs
Melhoras!

Martha disse...

Não acho que vc escreveu demais e acho que tem tudo a ver!
Por isso voltei a fazer yoga, porque acho que me ajuda muito.
Alguns sapos são inevitáveis e o que muda é a nossa forma de lidar com eles.