quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Do meu baú 2

Como tenho uma pauta para a revista Corpo e Arte sobre fondue, fiquei pensando onde iria encontrar informações sobre o assunto em Cuiabá e conseguir receitas.
Foi sugerido que eu buscasse um chef fora daqui e ainda assim fiquei meio sem saber onde procurar. De repente, veio a luz: resolvi bater na porta da Casa da Suíça, no Rio de Janeiro.
Encontrei o site do restaurante, peguei o telefone e na primeira tentativa consegui conversafalar com o sr. Volkmar, o proprietário, e marcamos de conversar mais amanhã, num horário mais apropriado para ele. Foi muito gentil e disse que não vê problema em compartilhar receitas e a história do fondue.
É isso que mais curto na profissão de jornalistas: a possibilidade de conversar com pessoas tão diferentes e inusitadas.
Fiquei contente com a gentileza dele e me lembrei de algumas ocasiões (duas ou três no máximo) em que fui à Casa da Suíça, na rua Cândido Mendes, no bairro da Glória, para me deliciar com os pratos cremosos do restaurante, à base de muito queijo.
Nessa época, anos 80, eu frequentava alguns lugares tradicionais e muito bons do Rio, como o restaurante Shirley no Leme (hum, como era gostosa a paella de lá!), A Polonesa na rua Hilário de Gouveia, em Copacabana, o Albamar, na Praça 15, o Bar Luiz, na Lapa, o ... Como se chama mesmo aquele restaurante super tradicional de Teresópolis, onde comíamos apfelstrudel de sobremesa? Ah, consegui me lembrar (sem a ajuda do Google): Alpina.
A gente também curtia o Lamas, que funcionava na rua do Catete antes de se mudar para a Marquês de Abrantes.
Eram bons tempos ... Quando penso no passado, parece que só veem as lembranças boas, mas aos poucos vou me lembrando de algumas sensações não tão legais da época, provocadas por minha insegurança e insatisfação com o trabalho e outras coisas. Acho que é sempre assim ... Estou eternamente insatisfeita.
Nunca mais voltei a esses restaurantes. Ou melhor, fui uma vez  à Taberna Alpina depois que me mudei para Mato Grosso, mas não foi a mesma coisa. Não sei se mudou a qualidade do restaurante ou se fui eu que mudei. Acho que o melhor nesses casos é ficar com as lembranças dos momentos bons vividos nesses lugares e buscar conhecer novos restaurantes que, certamente, também deixarão grandes lembranças.

PS. Fui dar uma olhada no site da Casa da Suíça para ver se encontrava uma foto bacana para ilustrar o post e acabei descobrindo uma coisa engraçada: no menu intitulado "Executivo com classe" tem um prato tipicamente mato-grossense, Carne seca "Maria Isabel", por R$ 30; Se eu fosse lá hoje, com certeza, ficaria com outra opção.


Um comentário:

Chorik disse...

Um dos melhores fondue que comi foi em Campos do Jordão/SP, no Ludwig, acho que em 2006. Mas desconfio que o frio e o fato de não me ter custado nada ajudaram.