terça-feira, 6 de setembro de 2011

Espelho partido

Acabei de descobrir a causa das minhas mazelas. Há uns 20 dias, minha filha mais velha e eu fizemos algumas mudanças na casa e, nesse afã de mudar móveis do lugar, acabamos quebrando o espelho do corredor.
Ele não se partiu em mil pedaços, mas a marca do acidente está lá, terrível, ameaçadora, como uma aranha de vidro.
Agora minha diarista acabou de me dizer que tenho que mudar esse espelho porque não é bom ficar com espelho quebrado em casa. Eu respondi: sei disso, mas no momento meu orçamento não me permite comprar outro espelho grande.
Sete anos de azar... Essa é a superstição que corre em relação a espelhos quebrados.
Por enquanto, estou tentando ignorá-la e testar minha capacidade de racionalizar os fatos. Porém, desde que o espelho se quebrou, ando num baixo astral! Cheguei a pensar: pior do que está não pode ficar.
Claro que pode, sempre pode ficar pior.
Posso estar dura, desanimada, decepcionada com certas pessoas, mas estou com saúde, alimentada, tenho trabalho (muito) para fazer, minhas filhas estão bem. Enfim, a vida corre em seus trilhos, meio enfadonhos, a meu ver, mas razoavelmente protegidos.
Sorte ou azar? Tudo é questão de ponto de vista. Os otimistas conseguem ver o lado bom até na morte de alguém; já os pessimistas veem sinais negativos num simples pneu furado.
Eu preferia estar sempre no time do otimistas, mas de vez em quando resvalo para o outro time. Mas (quase) nunca perco o meu bom senso. Ah, também me esforço para não perder o bom humor.

5 comentários:

Delvânia Góes disse...

Martha, gostei mto do seu texto.
Adoro seu diálogo racionalizado, com perspectivas intrigantes e conflitos psicológicos.
Como sempre, suas palavras me fazem pensar em crenças, posturas e posicionamentos humanos. Obrigada por essas novas linhas. Abraço.

Martha disse...

Oi querida amiga!
Obrigada por suas palavras carinhosas e sua visita!
Bjs

Bergilde disse...

Olá Martha!
Navegando em blogs amigos chego ao seu e a partir de agora começo também a acompanhar daqui.Costumo pensar que todos nós temos dias de 'sim' e dias de 'não',mais ou menos em acordo com a sua reflexão.A vida é este constante combatimento onde o que para uns pode parecer bobagem,para outros um grande problema a ser resolvido.
Valeu pela visão entusiasta e esperançosa que você deu na sua conclusão.
Abraços da Itália,

Martha disse...

Que bacana ter uma leitora da Itália! Obrigada pelas palavras de incentivo, de coração!

Chorik disse...

Olha Martha, quanto ao espelho quebrado eu jogaria ele fora, assim como coisas que não funcionam mas podem ser consertadas devem ser armazenadas em locais longe de nossos olhos, ao menos até que tenhamos condições de arrumar. Dá uma deprê ficar vendo, não dá não?
Bj