quarta-feira, 4 de abril de 2012

Impacto ambiental

Hoje estou esgotada pelo trânsito de Cuiabá. Sei que esse assunto é meio enfadonho para quem mora em outras grandes capitais, mas circular por Cuiabá está difícil!
Hoje, justamente hoje, saí mais cedo de casa para o trabalho. Cheguei mais cedo? Não, cheguei depois do horário porque peguei um engarrafamento insuportável perto da Rodoviária. Um trecho que geralmente não me toma nem cinco minutos levou mais de 20 para ser percorrido debaixo de um sol escaldante. Fiquei imaginando o que estaria causando tanto transtorno e, para minha surpresa, havia uma pequena colisão envolvendo um caminhão do Buffet Leila Malouf e um carro de passeio. Como os dois estavam encostados numa das pistas, pronto, isso foi suficiente para causar um congestionamento com reflexos na avenida Miguel Sutil.
Nem precisa dizer que os motociclistas logo começaram a circular livre e impunemente pelas calçadas, ameaçando os pedestres que caminhavam pelo canteiro central (muitos estudantes).
Qualquer batidinha causa uma confusão enorme e não se vê nem sinal de um guarda de trânsito ou de um agente municipal (o tal Amarelinho), ambos figuras raras.
Na saída do trabalho, mais engarrafamento, como de costume. Bateu uma saudade de Cáceres!
Fico imaginando como vai ficar a cidade quando começarem as "esperadas" e prometidas obras para a Copa de 2014. A gente vai sofrer.
Anteontem, uma amiga me contou que será aberto um McDonald's em nosso bairro, o Popular ou Goiabeiras (nunca sei onde moro). Segundo ela, a lanchonete (estilo drive thru) vai funcionar na avenida Isaac Póvoas, num terreno que também tem entrada pela rua Sebastião. Como nesse trecho também vai abrir em breve uma casa noturna no estilo sertanejo (a Valley), já estamos imaginando como vai ficar o trânsito, já que passar ali nas noites de sexta-feira, sábado e véspera de feriados já é complicadíssimo por causa do movimento da Praça Popular, point da moçada a partir da noite de sexta-feira.
Acho uma loucura isso: os empresários vão abrindo estabelecimentos, construindo prédios sem que haja qualquer planejamento. Ninguém pensa no impacto que a obra vai causar.
Fala-se muito em impacto ambiental. Para mim, isso também deveria ser considerado impacto ambiental.




2 comentários:

Chorik disse...

Sério que Cuiabá está desse jeito? Nesse calor? Risquei do mapa de minhas possibilidades habitacionais! Eu ando fugindo desse tipo de progresso, Martha.

Martha disse...

Lamento dizer que não vou discordar de você. Pelo menos, neste momento.