segunda-feira, 9 de julho de 2012

Jovens & álcool

Alguém comentou que a capa da Veja desta semana é sobre jovens e álcool. Não me sinto muito à vontade para falar sobre o assunto porque gosto de beber, mas nunca fui do tipo que estimula as filhas a beberem e sempre as alertei quanto aos riscos do excesso de bebidas alcóolicas.
Desde a semana passada quero escrever sobre um assunto delicado: motoristas e álcool, o que inclui os jovens que parecem ser as vítimas mais frequentes dessa relação perigosa. Talvez porque bebam mais, tenham menos noção do perigo de se dirigir embrigado ou sejam mais afoitos na direção sóbrios ou bêbados.
Tenho visto vários jovens conhecidos se envolvendo em acidentes e sendo vítimas dessa mistura fatal. Na semana passada, mais um morreu em consequência disso. Seus amigos lamentaram sua morte, choraram sua perda em comentários e fotos nas redes sociais, mas quantos realmente botaram a mão na consciência e refletiram sobre os riscos de se andar em alta velocidade na madrugada depois de uma balada?
Estive há poucos dias no Rio de Janeiro e fiquei impressionada com o cuidado que as pessoas da minha família e amigos estão tendo em relação à mistura álcool e direção. Quem vai para a noite ou sai com a intenção de beber vai de táxi ou de carona, já que as blitzes estão acontecendo para valer.
Não tem outro jeito. Lembram-se quando não tínhamos o hábito de usar cinto de segurança? Por medo de sermos multados, muitos de nós nos acostumamos a botar o cinto. Eu mesma não consigo andar um quarteirão hoje sem usá-lo. Com o consumo de álcool não é diferente. A gente se acostumou a dirigir depois de alguns chopes ou copos de cerveja na certeza de que nada vai acontecer, mas, infelizmente, diante de tantas mortes estúpidas, eu gostaria realmente de que Cuiabá e outras cidades de Mato Grosso seguissem o exemplo do Rio e botassem a Lei Seca para funcionar de verdade.
Quem sabe assim num futuro a gente não passaria a achar estranho o hábito de dirigir alcoolizado?

Um comentário:

Tyrannus Melancholicus disse...

Querida Martha! Ccomentamos com os amigos que o RJ assumiu a campanha de tolerancia zero contra o álcool e o trânsito. Os "famosos e celebridades" pegos pelas blitz vão para as 1as. páginas dos jornais e revistas (afinal não é isso que eles gostam?). Vide os globais, jogadores de futebol e políticos.Os taxistas estão felizes, as famílias mais tranquilas e a violência e traumas causados pela bebida, diminuiu. Por que não se adota essa medida em Cuiabá, em todo o país. Por que?